Confissões de um ex-pastor(VI)

Rabia, uma mística islã que viveu por volta dos anos 800 d.C. define por meio de uma petição dirigida a Alá a essência de um verdadeiro relacionamento com Deus:
Se eu Te adorar por medo do inferno,
Queima-me no Inferno.
Se eu Te adorar pelo Paraíso,
Exclua-me do Paraíso.
Mas, se eu Te adorar pelo o que Tú és,
Não escondas de mim a Tua face.

Essa declaração, que muitos cristãos estão dispostos a elogiar, mas bem poucos a pronunciar com sinceridade, sintetiza o ideal de uma verdadeira adoração, de um sincero relacionamento com Deus. À guisa de exemplo podemos ver que um músico brasileiro expõe essa frase no verso do CD e do DVD, porém, por incrível que possa parecer, todas as músicas são triunfalistas, de teologia de restituição e pós-teologia da prosperidade.

A nossa maneira pós-moderna de viver nos leva a achar mais fácil amar a Deus ou por medo ou pelo o que Ele pode dar, inclusive a vida eterna, difícil amá-lo pelo o que Ele é, apenas por isso. Incrível como uma mística de uma tradição anti-cristã(muçulmana) pode ter uma visão relacional com Deus com uma profundidade maior que muitas tradições que se dizem cristãs. Nesse evangelho que nem é moderno, nem pós-moderno, mas sim medieval com todas as superstições e fetiches de então, a relação com Deus é sempre na base da troca, trocar adoração por benção, obediência por salvação, amor por bem-estar. Uma pena que vivamos assim, até mesmo de forma inconsciente. Não conseguimos mais olhar para as práticas cúlticas sem arrepiar o cabelo, para as músicas cantadas na igreja moderna, parecem mais um mantra de troca com Deus: Eu te adoro para que me abençoes. Parece que Deus é um coitadinho que não tem adoradores, aí aparece um crente bonzinho e propõe a Deus uma relação de mútuo benefício: - Bom eu te adoro, agora...

E ainda tem gente que acha que a igreja não precisa de reforma. Que saudade de Lutero, Zwínglio e Calvino. Ouço as músicas triunfalistas de hoje em dia e me arrepio, pois quão distantes estão do Evangelho Maltrapilho anunciado por Jesus. É gente que anda por sobre o mar, é gente que só vive no cume dos montes, é gente que tem fartura, gente que prospera, gente que só vence. Não consigo me ver nesse meio, não consigo cantar essas músicas, não consigo dizer amém a algumas orações que ouço.

Tem um pastor que se credita tantos méritos que escala anjos ao seu lado, como Dunga escala a zaga da seleção brasileira, seria risível, se não fosse um motivo de ojeriza por ser tão trágico, é um vilipêndio à teologia sadia. Outros mais parecem camelôs vendendo seus produtos. É uma vergonha, me recolho e penso que este não é o evangelho de Jesus.

Prefiro a companhia de Maltrapilhos, prefiro os desajustados como eu, prefiro a companhia dos insatisfeitos, dos desprezados, prefiro ir para igrejas em que seja proibida a entrada de pessoas perfeitas, junto com os párias eu me sinto junto com meus semelhantes, eu me sinto em casa, junto aos pequeninos de Abba, eu sinto que sou bem-aventurado.

1 comentários:

leidjanecjo disse...

Palavras de um amado amigo!!
"já desci do púlpito quase que sem pisar no chão, tamanha a satisfação de ser usado por Deus"
Alguém que tenha tamanho prazer em transmitir a palavra, pode pensar que não pode exercer-la por achar que não é digno?

Tive uma experiência no que Deus quer pra minha vida, pois em tudo que faço e passo na vida, vejo esse Deus maravilhoso trabalhando para que eu possa ao máximo seguir os caminhos que Cristo veio nos trazer! Nos erros e acertos! Bem, minha visão e assim.

Afastei-me do ministério infantil por achar que Deus tinha colocado a pessoa certa, mais qualificada, competente etc... etc...!
Do ponto de vista humano com certeza essa pessoa realmente tinha todas as qualificações para liderar um ministério com crianças, formada e educadora religiosa com longos conhecimentos e estudos etc...!
Não foi bem assim que Deus viu!! Foram lições de vidas, "erros para acertos", tanto para mim quanto para ela, quem sabe os propósitos de Deus.

Nunca me achei qualificada e ainda não me acho! Quem sou eu para achar alguma coisa. E voltei pela as mãos de nosso Pai, recomecei a me evolver, me prontifiquei a ajudá-la, na parte administrativa e logística, se é pra organizar e por o povo para trabalhar, to dentro kkk!!

Depois que entreguei meu cargo de coordenadora do departamento infantil tive uma experiência que jamais tive.
Tive uma depressão tão forte de fiquei com minha imunidade baixa e fiquei doente, não foi muito grave só que é muito inconveniente, no tempo em que não pude ir para igreja não dei uma mãozinha no departamento, quando voltei fui falar com o Pastor sobre uma programação de um congresso para levar os professores da EBD de crianças, ela falou que iria comigo, pois ela era a coordenadora do Departamento e gostaria de estar presente, claro que sim, falei! E lá para minha supressa ela falou para o pastor que estava deixando o cargo e que eu iria ficar a frente novamente não pode negar já me encontra envolvida novamente.
E agradeço a Deus por isso, sei que sou muito importante para Ele, seria ruim se ele não quiser me usar.
Temos que nos alegra mesmo com nossos altos e baixos e saber passar provações, e com elas aprender para ajudar os outros.
Sei que você já deve estar cansado de ouvir essas palavras! Já?
Eu quero te falar não que eu tenha importância, quero passar para você que se nós sentimos satisfação, gozo no que fazemos com certeza Deus assim nos quer fazendo o que Ele nos permite e ordena, não sou "eu" somos nós escolhidos! E também os Joaquins, Zeferinos, Sofias sei lá os nomes, muitos outros que fazemos parte do exercito e temos que continuar, não podemos parar, não temos essa permissão.
Esse é nosso Ar!!!

Postar um comentário

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...