Por que só querem a guerra?


Um judeu, que viveu no primeiro século da Era Comum, um dia, sentado em roda com alguns amigos e seguidores, pronunciou uma série de ditos que ficaram gravados para toda a eternidade, a relevância e importância de todos é incontestável, são admirados e servem de consolo para milhares de pessoas de todas as religiões e de todos os tempos, porém para o assunto que eu quero abordar aqui eu vou citar apenas um: “Felizes as pessoas que trabalham pela paz, pois Deus as tratará como seus filhos”, estas palavras estão em Mateus 5:9 (Versão Nova Tradução na Linguagem de Hoje (NTLH) da Sociedade Bíblica do Brasil) e foram pronunciadas por Jesus, o Cristo nas suas famosas Bem-aventuranças. Parece-me que estas palavras não são bem recebidas, ou não são devidamente acolhidas, por aqueles que são da mesma linhagem dele, seja por laços de sangue: o estado de Israel moderno, seja por laços religiosos: os “cristãos” dos EUA. Estes dois grupos já demonstraram na história a sua viés belicista e beligerante, cada um com suas “razões”, cada um com seus motivos, e a última prova cabal, desta afirmativa que faço, é a ameaça que Israel, que conta com o apoio incondicional dos EUA, está fazendo ao Irã.

Os fatos
Benjamin Netanyahu, o primeiro-ministro israelense, fez um pronunciamento recentemente, no qual diz textualmente que existiriam razões e motivos de sobra, que dariam todo o direito a Israel e aos EUA, não sei se devo chamá-los de aliados ou de lacaios de Israel, de atacarem o Irã, quais são estes motivos? O “provável” programa de desenvolvimento de armas atômicas daquele país.

Confesso que senti algo como que um soco no estômago quando li a notícia que este senil, beligerante e tresloucado governante (sic) estava ameaçando o Irã. Eu acredito que, pelo pronunciamento que ele fez isto fica claramente perceptível, o premier israelense, além de ser um estrategista amador, não conseguiu sequer aprender xadrez, os seus neurônios acham este jogo tedioso e muito complexo, também possui um grau de irracionalidade em estágio elevadíssimo. Parece que ele não consegue enxergar o que o Irã representa para o mundo islâmico, com seus fortes aliados chineses e russos. Ameaçar a soberania daquele estado pode ser um tiro que saia pela culatra, e creio que o que voltaria sobre Israel e os EUA estaria longe de ser chamado de tiro.

Não precisamos ser especialistas em ciências políticas e nem em política internacional para entender que esta ameaça é na verdade um blefe, que tem a finalidade de pressionar a comunidade internacional para aplicar sanções, eu diria que na verdade são retaliações caprichosas de Tel Aviv e Washington, ao estado islâmico. Porém, como todo blefe, é extremamente perigoso, as consequências deste ato insano podem afetar não apenas a Israel e aos EUA (não isentando os seus aliados, principalmente os ingleses com a sua Olimpíada), mas ao mundo todo. Pode se transformar numa verdadeira catástrofe de proporções inimagináveis, com um efeito cascata avassalador. As divergência no meio do islã (sejam sunitas, xiitas ou talibãs) desaparecem quando o assunto é o “ocidente americano” com sua sociedade promíscua e os seus aliados judeus que oprimem os palestinos.

O mote que Israel está usando para toda esta escaramuça é um relatório que foi publicado recentemente pela AIEA (Agência Internacional de Energia Atômica), no qual diz ter, ipsis literis: “sérias preocupações com as possíveis dimensões militares do programa nuclear do Irã”. Netanyahu e outras autoridades israelenses distorceram o relatório, exponenciando as conclusões da agência, obviamente com interesses próprios e já apontam seus mísseis, alguns com a Estrela de Davi desenhada por estudantes com menos de 10 anos, em direção à Pérsia. Mas, nada que seja dito vai colocar por terra a tese de que não passa tudo de um blefe, um perigoso blefe, o premier isabelense parece ter aprendido muito bem com os americanos como ser fanfarrão.

Em matéria de mentira os israelenses aprenderam muito bem com os EUA. Até hoje esperamos, eu e o mundo todo, pelas “provas cabais” que o George Bush disse ter que o Iraque produzia armas químicas, além de um péssimo governante, um louco desvairado, o metodista Bush é um mentiroso contumaz, o que para a sociedade puritana e hipócrita americana não é nada, lembremos apenas dos líderes religiosos que o apoiaram e que defenderam a intervenção no Iraque como obra de Deus. Só faltaram igualar Bush a Josué ou Gideão, sinto vergonha quando me lembro de tais disparates.

Mas o premier não é voz dissonante no governo (sic) de Tel Aviv, o ministro das Relações Exteriores (parece um contrassenso Israel com um ministério com esse nome) Avigdor Lieberman, que tem um caráter muito mais belicista que Netanyahu, endossou as palavras do chefe dizendo que novas “sanções paralisantes contra o Irã” são necessárias e urgentes. Como podemos perceber pelos comunicados dos últimos dias, Lieberman e Netanyahu, que contam com o apoio de boa parte dos políticos israelenses, e da população, que querem exterminar a raça palestina, e encontram no Irã a pedra que lhes aflige o sapato, já que este iria socorrer ou dar abrigo aos irmãos muçulmanos, estão empenhados em conquistar o apoio, ou seja, o silêncio e a omissão, do Conselho de Segurança da ONU e da chamada comunidade internacional para tirarem de seu caminho este obstáculo. Lieberman ainda esbraveja: “A opção militar é a última possível e a pior, mas ela tem de continuar sobre a mesa e pronta para ser colocada em prática”.

Mas acho que esqueceram alguns detalhes, que não são menos importantes por isso. Primeiro: A China e a Rússia, que são tradicionais aliados do Irã, e por isso mesmo, sempre estão contrários às vontades e caprichos dos israelenses, ao contrário dos EUA que fazem tudo o que os banqueiros judeus querem, são membros permanentes do Conselho de Segurança, e certamente, vetarão novas sanções contra Teerã. Segundo: com o veto no Conselho, o que fará então Israel? Atacará mesmo o Irã à revelia da vontade da Comunidade Internacional? O Conselho de Segurança não dará apoio unânime, ainda assim continuarão com seu plano? Bom, ou Israel de fato ataca o Irã, ou vai perder a pouca credibilidade que tem no Oriente Médio e no resto do mundo. Eu ainda elencaria um terceiro motivo: os aliados europeus e americanos estarão dispostos a embarcarem numa guerra com um déficit interno elevadíssimo e uma crise financeira batendo às suas portas?

Ainda que conte com o apoio dos seus cães de guarda, os EUA, e tenha cofres abarrotados de dólares, qualquer ataque que Israel lance contra o Irã seria, sem sombra alguma dúvida, uma missão suicida, uma missão fadada ao fracasso, ainda que logre aparente sucesso inicial.

O general Massud Jazyeri, chefe do estado maior das forças iranianas disse no último dia 09 (quarta-feira) que : “o Irã, em caso de ataque às suas instalações militares, “destruirá” Israel”. Não parece que estava blefando, vontade, disposição e planejamento para isso eles têm de sobra, talvez só precisem de um motivo, e os políticos israelenses estão “empenhados” em dar este motivo.

Algo que preocupa bastante é que o alcance da vingança do Irã e de seus aliados radicais, não nos esqueçamos que a morte para eles não é assustadora, seria exponenciado, “não se limitará ao Oriente Médio”. Isso se deve ao fato de que eles, as autoridades iranianas e seus aliados espalhados pelos quatro cantos da terra, sabem que Israel não teria condições de agir sozinho numa empreitada deste porte, estaria agindo em sintonia com os Estados Unidos, ainda que nenhum avião americano fosse visto sobrevoando Teerã. Ainda que não se torne explicito nem público, não é preciso ser especialista em Oriente Médio para deduzir que Barack Obama, como todos presidentes norte-americanos desde a criação em 1948 de Israel, vai dar apoio incondicional a qualquer ação que Israel decida tomar.

Até mesmo, e isso é assustador, o presidente Shimon Peres, por muito tempo considerado um governante sóbrio e um político que já demonstrou muita eficiência em gerir crises, no último domingo 06 declarou: “A possibilidade de um ataque militar contra o Irã está mais próxima do que uma opção diplomática”. Se os mais sensatos pensam assim, o que diremos dos menos dotados de sobriedade?

Esta histeria e onda de irracionalidade não é privilégio da classes dos políticos, ela já se estendeu ao povo. Mesmo sabendo que um ataque ao Irã é o estopim que deflagaria um conflito global de proporções inimagináveis, ainda assim a população em sua maioria apoia o que os políticos estão se preparando para fazer, o contágio é geral, o caos está às portas.

Um cientista político de origem iraniana, Hesam Houryaband, tem uma visão diferente dos pronunciamentos recentes de Teerã sobre essa provável invasão israelense: “o discurso de Ahmadinejad de destruir Israel não reflete a política exterior do país”. Segundo este cientista a única razão para que o Irã insista no programa nuclear é que ele “quer armas nucleares para proteger seu regime”. Por um pequeno e forte motivo: A invasão do Iraque, da Líbia e de outros tantos que a OTAN não titubeou em invadir. Será que o regime dos aiatolás vai ficar sentado esperando ser o próximo da lista? Claro que não, todos sabem que ninguém hoje ousaria atacar a Coréia do Norte, por mais que tenha escaramuças com a Coréia do Sul e infrinja os direitos humanos, e o Paquistão, ainda que seja um dos maiores baluartes e abrigo para terroristas de origem islâmica, por conta dos avançados programas nucleares que eles têm.

O que eu espero é que Israel descubra os ensinos de Jesus e procure a todo custo a paz, porém dos EUA eu espero que redescubram os ensinos de Jesus, pois parecem que esqueceram.

0 comentários:

Postar um comentário

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...