Twitter de um Borderline (XIV)

5 Jul
- Queria trazer à memória, aquilo que pudesse me dar esperança. Queria, mas não consigo.
- O maior medo que podemos ter é de não sermos aceitos como somos.
- Um dia porém, decidimos que se não formos aceitos, sofreremos, mas nos afastaremos de tudo o que nos causa dor.
- Por algum tempo achei que perdão tinha mais valor que penitência, hoje acho que me penitenciar faz com que me sinta melhor.
- Quando você revela seu eu interior a alguém que não está preparado(a) para te amar como você é, o resultado é o desespero humano.
- Vamos viver nos escondendo ou vamos ser transparentes e sujeitos a nunca sermos amados de fato?
- Só resta retomar a caminhada, olhando em frente, o passado será guardado para servir de ensinamentos.
- Ás vezes me surpreendo por não me desesperar com tanta facilidade, acho que as drogas estão me fazendo isso. E quando acabar?
- A "Coisa" deu uma trégua, de vez em quando eu a vejo tentando sair da jaula, dou um empurrão e ela volta com raiva. Está enfurecida.
- Não queria magoar, não queria ferir, não queria mesmo, porque as coisas têm que ser assim?
- Queria sair dirigindo sem destino, sem paradas, sem descanso, talvez chegasse ao País de Aslam e lá não teria mais dores.
- Queria me agarrar ao focinho quente e cheiroso de Aslam, e enxugar minhas lágrimas naquela juba.
- Como gostaria que ele arrancasse minha escama, meu couro grosso e deixasse que vissem como de fato eu sou: um menino triste!
- Não suportaria ser magoado, sei que as minhas reações seriam descontroladas, como sempre foram, e agora mais ainda.
- Eu espero estar errado, para minha própria felicidade, mas isso não vai terminar bem, não vai desistir fácil, vai até me ferir.
- Não sei mais o que vai fazer, espero apenas que seja comigo, apenas comigo. Como sempre foi, apenas um covarde.
- Uma hora sai, outra fica, outra pede que saia, ou então me liga. Não sabe o que quer, apenas tumultuar.
- Queria dirigir numa estrada sem fim, sem fim algum. Até que as neblinas do País de Aslam aparecessem.
- Sentar-me-ia na calçada e esperaria que a comitiva dele passasse, quando eu o visse clamaria por misericórdia.
- Disseram um dia a Jesus "-Aquele a quem tu amas está doente!". Eu queria tanto que esse doente fosse eu.
- Sinto-me órfão, vazio, triste, angustiado, desesperado e desiludido.
- Como pode um ser humano sobreviver com tantas expectativas? Como pode alguém querer tanto?
- "Se cortar por fora para aliviar a dor que sinto lá dentro". Esse é um lema que segue minha vida hoje.
- Sensibilidade à flor da pele!
- Chegou ao fim, o que já tinha terminado há muito tempo.
- Terminar é uma angústia, continuar é uma angústia, viver é uma angústia, morrer é uma angústia.
- Como matar um angústia que está na alma?
- Como fazer uma alma cansada e ferida sentir-se bem?
- Como pode ser feliz quem tem uma sensibilidade fora do comum?
- Como pode ser feliz quem espera tanto, mais do que o natural?
- Como ser feliz sendo eu mesmo? Se deixar de ser eu mesmo, como ser feliz?
- Hoje eu resolvi dar um basta numa relação profissional insustentável, não dá para conviver com quem não tem palavra.
- Perco dinheiro, mas não perco a honra.
- Acho que agora, mesmo desempregado, cheio de dívidas, vou ter um pouco de paz.

0 comentários:

Postar um comentário

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...